terça-feira, 24 de novembro de 2015


Recebo o teu corpo, filho de uma noite gelada. Acolho-te, com o que melhor tenho para te dar, o meu calor e as minhas ganas de ti. Dou-te a minha nudez para que o teu sangue aqueça, e me faça arrepiar a mim. Gosto que essa pele morena passeie pela transparência da minha, e me desassossegue. És o meu melhor caos. O que totalmente desconstruído, me devolve o meu mais bonito reflexo. A melhor mulher que há em mim. Ninguém é de ninguém, mas eu sei que há instantes em que somos apenas um do outro.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015