sábado, 6 de maio de 2017


Calo a boca à ansiedade destes dias, com o corpo dele dentro do meu. Coxas enganchadas e nós ainda com alguma roupa, porque o desejo correu mais depressa do que o tempo. 
Insensatez.
Por momentos, fecho os olhos e gozo as sensações. Todas ao mesmo tempo, na carne toda. Na minha e na dele. Somo-o por entre os meus dedos, pele transpirada e a queimar. Entregue(s), somos só nós, tudo o resto perdeu o tom e a voz.
Ele exaspera-me, e...ele acalma-me. É quase como se tivesse a resposta quando eu não a encontro. Ele...é a minha resposta.